Sem Desperdício!: Artigo: Consumo de café faz bem pra saúde?

Artigo: Consumo de café faz bem pra saúde?

Por Dr. Silvio Gioppato*



O café e o chá são as bebidas estimulantes, socialmente aceitas, mais consumidas no mundo. Estima-se que, aproximadamente, 90% dos adultos no planeta consumam café diariamente. Porém, o hábito varia de região para região e de país para país de acordo com fatores socioculturais e de desenvolvimento econômico.

O café é preferido nos países desenvolvidos, particularmente na Europa, à exceção da Inglaterra e Irlanda, onde a preferência é pelo chá. Nos Estados Unidos, mais de 150 milhões de pessoas consomem café diariamente e no Japão a prática corresponde a quase 50% da população adulta. E esse número vem crescendo a uma taxa de 1,3% ao ano desde 1998.

Estima-se que os países desenvolvidos respondam por 71% do consumo mundial de café. No Brasil, não existem estatísticas oficiais, mas segundo dados da ABIC (Associação Brasileira da Indústria do Café), a bebida está presente em 95% dos lares e a ingestão per capita é algo em torno de 5kg de café torrado por ano.

O consumo diário também apresenta variações de acordo com o sexo e os hábitos de vida. Estatísticas americanas, canadenses e japonesas mostram que os homens bebem mais café do que as mulheres e os fumantes mais que os não fumantes.

Substâncias presentes no café



A maioria das pessoas ignora que, além da cafeína, diversas outras substâncias bioativas estão presentes no cafezinho que consomem diariamente, e essas substâncias podem ter um impacto maior do que a própria cafeína sobre o organismo.

O grão de café verde possui uma grande variedade de sais minerais, aminoácidos, vitamina B3, açúcares, lipídeos como triglicerídeos e ácidos graxos livres, e ácido clorogênico, que é o componente de maior concentração até que a própria cafeína. No entanto, a maioria dessas substâncias sofre modificações durante o processamento do grão (secagem e torra) e apenas a cafeína - que é o único componente termoestável - não se altera. Todos os demais podem ser destruídos, modificados ou mesmo preservados, dependendo do tempo e da temperatura de torrefação. Como exemplo, os ácidos clorogênicos, que no processo de torrefação formam quinídeos, substâncias com potente ação sobre o sistema nervoso central, produzindo sensação de bem-estar e podendo colaborar na prevenção e tratamento da depressão.

A influência do modo de preparo na composição do café



Do mesmo modo que o processamento do grão pode modificar a composição do café, a forma de preparo também. Existem várias técnicas que variam de país para país ou mesmo de região para região dentro de um mesmo país. No Nordeste do Brasil, por exemplo, prevalece o preparo do café fervido ou estilo escandinavo (sem filtração do pó). Já no Sudeste, a preferência é pelo filtrado (filtro de papel) ou à moda brasileira, no filtro de pano. Existe ainda o café espresso preparado pela passagem da água quente sob pressão pelo pó compactado, além do café instantâneo.

Em cada uma dessas técnicas, o resultado final será diferente e consequentemente os efeitos sobre o organismo também. Nas formas fervido e espresso há uma maior concentração de gorduras por dose. Já no café filtrado, as gorduras e parte da cafeína ou não são extraídas do pó ou ficam retidas no filtro.

Efeitos sobre o organismo



Sistema Nervoso Central – Tem sido demonstrado que a cafeína exerce efeitos sobre o humor e o comportamento tanto de forma aguda como crônica, entretanto, esses efeitos variam dependendo da população em estudo, da quantidade e da duração da exposição à substância. Em pessoas descansadas, doses baixas ou moderadas (1 a 2 xícaras por dia) melhoram o estado de alerta e o tempo de reação. Nos indivíduos privados do sono, a cafeína atua positivamente numa variedade de funções, incluindo aprendizado e tomadas de decisões. De modo geral, o consumo de café leva a um aumento no estado de alerta, na energia mental e na capacidade de concentração, particularmente em indivíduos fatigados ou trabalhando a noite.

Dor de cabeça – A cafeína tem propriedades farmacológicas que podem aliviar ou gerar dor de cabeça. Há muito tempo tem sido utilizada no tratamento desse tipo de dor por suas ações analgésicas, contudo, em algumas pessoas o uso crônico do café está associado à ocorrência de enxaqueca. Os mecanismos dessa divergência de ações ainda não estão totalmente elucidados.

Parkinson e Doença de Alzheimer – As evidências ainda são pequenas e os mecanismos ainda não esclarecidos, mas estudos mostram que o consumo regular de café pode conferir uma proteção contra o desenvolvimento tanto da doença de Parkinson quanto do Alzheimer.

Câncer - Não há qualquer evidência que aponte a relação entre consumo de café e ocorrência de qualquer tipo de câncer. No entanto, existem razões para postular que o café pode reduzir o risco de câncer por causa das suas propriedades antioxidantes.

Osteoporose – Vários estudos sugerem uma relação inversa e dose-dependente entre consumo de café e redução na densidade óssea. Um estudo com mulheres idosas (70-73 anos) apontou que o consumo de cinco ou mais copos de café por dia se associou a redução da densidade óssea. Outro mostra que em mulheres em uso de cálcio, o consumo de café teve efeito sobre a densidade óssea. Mas no grupo de mulheres sem reposição de cálcio houve uma relação inversa entre o consumo de café e a densidade óssea.

Performance atlética - Muitos estudos mostram que a cafeína melhora o desempenho físico numa grande variedade de atividades físicas com componentes aeróbicos. Tanto que o Comitê Olímpico Internacional proíbe concentrações de cafeína urinária acima de 12mcg/dl, que corresponderia a uma ingestão de três a seis copos de café. Os atletas são avisados desses riscos e orientados a não consumir mais de três xícaras por dia.

Mortalidade – Estudos observacionais apontam uma relação inversa e dose-dependente entre consumo de café e mortalidade. Uma grande meta-análise de 2014 com 18 estudos prospectivos encontrou que o consumo moderado de quatro xícaras por dia se associou a uma redução de 16% no risco de morte por todas as causas. O maior desses estudos foi conduzido nos EUA e envolveu cerca de 400 mil pessoas que foram acompanhadas por 13 anos. Houve uma redução de 10% no risco de morte entre os homens e 13% entre as mulheres que consumiram de duas a três xícaras por dia.

O máximo benefício da cafeína é visto em doses moderadas de 2 a 3mg/kg com poucos efeitos colaterais.


*Dr. Silvio Gioppato é médico cardiologista, coordenador médico-científico nos serviços de Cardiologia Invasiva do Hospital Vera Cruz, em Campinas, e no Instituto Dr. Jayme Rodrigues do Hospital São Vicente de Paulo, em Jundiaí. E também é médico hemodinamicista colaborador do Hospital Bandeirantes, em São Paulo. 



Comentários do facebook
7 Comentários do Blogger

7 comentários:

  1. Eu amo café,agora descobri uma receita de bater cubos de café congelado no liquidificador com sorvete e leite,fica ótimo experimenta pra vc ver,beijos

    Blog Erika Mileyse

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa eu adorei a sua receita!!
      Vou testar ainda!

      Kisses!

      Excluir
  2. Amo quando chego em casa e sinto aquele cheirinho de café gostoso no ar , bom demais !!! Acho sim , que o café faz muito bem a saúde !! Adoreii o post ,beijos ;o)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aii o cheiro é perfeito né?
      Eu também amoooo!!

      Kisses!

      Excluir
  3. Eu sou a louca do café, sou apaixonada, viciada e não me imagino sem tomar um golinho todo dia, sou daquelas que se ficar sem sofre de abstinência então já viu néh?
    Adorei o post, mas mesmo com tantos alertas, o café só me faz bem, e tem que ser amargo !
    Beijocas

    Momento Quality

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu sou apaixonada pela minha Dolce Gusto.
      Mas tem que ser tudo com muiiiito açúcar! rs

      Kisses!

      Excluir

E aí você curtiu o post? Dê sua opinião!

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *